OEI participa do lançamento da Rede de Apoio à Inovação do Ensino na Saúde

OEI participa do lançamento da Rede de Apoio à Inovação do Ensino na Saúde

OEI. 24/11/2015
Tamanho do texto+-

A Diretora da OEI Brasil, Adriana Weska, participou do evento de lançamento da Rede de Apoio à Inovação do Ensino na Saúde, promovida pelo Ministério da Saúde, pelo Ministério da Educação, pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) e pela OEI, com vistas à ampliação dos cursos de medicina empreendida pelo Programa Mais Médicos. A rede será formada por instituições de excelência cujo objetivo é ofertar às novas escolas médicas objetos de aprendizagem, material didático, bancos de imagens médicas, processos de formação de preceptores e docentes, suporte pedagógico através de atividades de tele-educação e tele consultoria com especialistas, entre outros.

Em nome do Secretário-Geral da OEI, Paulo Speller, a Diretora da OEI Brasil agradeceu a oportunidade de cooperar com essa importante iniciativa e colocou a organização à disposição para contribuir com o fortalecimento de sistemas de saúde pública em países ibero-americanos interessados no modelo de gestão do Programa Mais Médicos. A colaboração da OEI é resultado de encontros prévios entre o Secretário-Geral da OEI e a OPAS.

O Programa Mais Médicos é composto por três grandes eixos de atuação: investimento em infraestrutura, provimento e formação. No eixo infraestrutura, há forte investimento na rede da atenção básica e em hospitais universitários. O eixo provimento ampliou o acesso à atenção básica para mais de 60 milhões de brasileiros e já demonstra impacto em indicadores de saúde como a redução de internações por causas sensíveis. No eixo formação, diversas ações buscam qualificar a formação médica e adequá-la às necessidades em saúde da população brasileira. O Programa atua também na instituição das novas diretrizes curriculares que fortalecem a integração ensino serviço e a prática clínica, baseada no cuidado integral e humanizado em cenários diversos da rede de atenção;  o fortalecimento da formação de docentes e preceptores; a reformulação do modelo de avaliação dos cursos; a universalização da residência médica, dentre outras ações estratégicas.