Projeto Paulo Freire de Mobilidade Acadêmica para Estudantes de Programas Universitários de Formação de Professores
Projeto Paulo Freire de Mobilidade Acadêmica para Estudantes de Programas Universitários de Formação de Professores

Projeto Paulo Freire de Mobilidade Acadêmica para Estudantes de Programas Universitários de Formação de Professores

OEI. 23/10/2014
Tamanho do texto+-

A mobilidade acadêmica é um elemento básico e fundamental no processo de internacionalização da educação superior. O fluxo de pessoas, tecnologia e conhecimento, através das fronteiras, assim como a integração econômica e cultural requerem a instrumentalização de mecanismos de cooperação universitária para potencializar e melhorar a qualidade da educação superior.

A internacionalização da Educação superior deve ser considerada como uma prioridade no desenvolvimento das políticas educacionais de última geração, com o propósito de que as instituições universitárias formem profissionais preparados para o mundo globalizado.

A integração da comunidade ibero-americana apresenta múltiplos desafios. Por um lado, consolidar a identidade de nossos povos, ainda que sempre se reconheceu que compartilhamos um rico patrimônio cultural, em que o encontro entre as culturas foi seguido da convivência e o intercâmbio entre nações soberanas e independentes. Por outro lado, com respeito às demais regiões do mundo, fazer da região um polo de desenvolvimento econômico, altamente produtivo e competitivo.

No interior do processo de internacionalização das instituições de educação superior, a tendência mais notória é a mobilidade estudantil, já que permite melhorar substancialmente a formação integral dos alunos, ao incorporar uma visão cultural e técnica em seus estudos e enriquecer o processo de ensino-aprendizagem.

A esse respeito é de suma relevância chamar a atenção sobre a necessidade para que os países da comunidade ibero-americana alcancem um acordo para sustentar a mobilidade acadêmica sobre os princípios de confiança, reciprocidade, flexibilidade e transparência.

A Conferência Ibero-americana de Ministros de Educação constitui o espaço idôneo para que os responsáveis da função socioeducativa na região promovam um novo projeto de mobilidade acadêmica.

Diante do exposto, desenvolveu-se o Projeto Paulo Freire de Mobilidade Acadêmica para Estudantes de Programas Universitários de Formação de Professores. Este Projeto visa converter-se no principal instrumento da cooperação ibero-americana para consolidar um sistema estável de mobilidade acadêmica na região. Sua atividade fundamental, para os próximos anos, estará centrada nos estudantes de graduação e pós-graduação que estejam cursando programas focados na profissão docente.

Para alcançar seus objetivos, o Projeto Paulo Freire deve levar em conta todas as atividades e iniciativas até então desenvolvidas na região referentes à mobilidade acadêmica. Por uma parte, as realizadas na América Latina como o Programa Pablo Neruda e/ou Programa de Intercâmbio e Mobilidade Acadêmica (PIMA), bem como as experiências e práticas realizadas no MERCOSUL, e o Programa Erasmus (European Action Scheme for the Mobility of University Students) da União Europeia. A aliança e os acordos de cooperação do Programa Paulo Freire como o Programa Eramus da União Europeia devem estar presentes no horizonte de trabalho, de modo que se possam compartilhar experiências no âmbito da mobilidade entre a América Latina e a União Europeia.

 

Baixe o documento (Português)