Representantes de 160 países reúnem-se em Brasília durante o 8º Fórum Mundial da Água
Representantes de 160 países reúnem-se em Brasília durante o 8º Fórum Mundial da Água
A instalação Águas do Planeta, montada na Vila Cidadã (foto: Sergio Dutti/8º FMA)

Representantes de 160 países reúnem-se em Brasília durante o 8º Fórum Mundial da Água

OEI. 19/03/2018
Tamanho do texto+-

“Nesta semana, Brasília não será apenas a capital do Brasil. Será também a capital mundial da água”, comemorou o diretor-executivo da Agência Nacional de Águas (ANA), Ricardo Andrade, na cerimônia de abertura do 8º Fórum Mundial da Água, no Auditório Master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, na manhã desta segunda-feira (19/03). Mais de 10 mil pessoas, representantes de 160 países, estão inscritas no evento, que tem como tema “Compartilhando água”.

Emocionado, Andrade lembrou o longo processo de preparação desta 8ª edição do Fórum. Até chegar à megaestrutura montada na capital federal - com mais de 300 sessões programadas e uma Vila Cidadã construída para receber pelo menos 30 mil visitantes até a sexta-feira, dia 23 -, passaram-se sete anos desde que o país manifestou ao Conselho Mundial da Água (em inglês, World Water Council, WWC) o interesse em sediar o encontro.

“Em 2011, apresentamos ao Conselho a intenção de oferecer a candidatura do Brasil. Em 2012, estivemos na 6ª edição do Fórum em Marselha, na França, e mais de 70 instituições brasileiras se fizeram presentes defendendo a candidatura. Em 2014, procedeu-se a escolha. Eram nove países candidatos. O Brasil e a cidade de Brasília foram eleitos por 26 dos 36 governadores do Conselho Mundial da Água”, ressaltou o diretor da ANA.

Esta é a primeira vez que o Fórum Mundial da Água realiza-se no Hemisfério Sul. As sete edições anteriores foram realizadas em Marrakech (Marrocos, 1997), Haia (Holanda, 2000), Kyoto (Japão, 2003), Cidade do México (México, 2006), Istambul (Turquia, 2009), Marselha (França, 2012) e Gyeongju e Daegu (Coreia do Sul, 2015).


A Vila Cidadã tem entrada gratuita e é aberta à população da cidade (foto: Cleudson Fernandes/8º FMA

Também é a primeira vez que o evento conta com um espaço todo voltado para a sociedade civil, com exposições, palestras, vídeos e oficinas interativas. A Vila Cidadã foi construída numa área de 10 mil metros quadrados, no estacionamento do Estádio Mané Garrincha, ao lado do Centro de Convenções, onde ocorrem os debates. Com entrada gratuita, mediante credenciamento, o espaço foi inaugurado no último sábado e já recebeu 25 mil visitantes.

A expectativa, segundo Ricardo Andrade, era a de alcançar cerca de 40 mil pessoas durante todo evento, 30 mil visitando a Vila Cidadã e 10 mil inscritos para o Fórum. "Neste momento, já temos mais de 10 mil inscritos, e em apenas dois dias mais de 25 mil participantes (10 mil no sábado e 15 mil no domingo)", comentou. "Estou muito feliz e surpreso. Isso demonstra o interesse do cidadão sobre o tema da água." 

Cerimônia de abertura

Cerca de 3 mil pessoas lotaram o auditório do Centro de Convenções para assistir à cerimônia de inauguração. Além de Ricardo Andrade, participaram da solenidade o presidente honorário do Conselho Mundial da Água, Loic Fauchon; o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Erik Solheim; o diretor da Itaipu Binacional, Pedro Domaniczky; o gerente de infraestrutura e energia do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), José Agustín Aguerre; o presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Venilton Tadini; e o presidente da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), Paulo Salles.


Ricardo Andrade, diretor da ANA, fez o discurso de abertura no Centro de Convenções (foto: Jorge Cardoso/8º FMA)

Antes, houve uma cerimônia fechada no Palácio do Itamaraty, onde autoridades brasileiras e 12 chefes de Estado fizeram pronunciamentos aos participantes do 8º Fórum. “A sustentabilidade hídrica requer ações integradas dentro de nossos países e entre nossos países. As soluções que buscamos são coletivas, com diálogo e cooperação”, afirmou o presidente Michel Temer.

Já o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, ressaltou a importância das soluções conjuntas para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). “Precisamos compartilhar água. Para isso, precisamos compartilhar saberes, culturas, opiniões, ideias e experiências. Devemos cooperar, governos e sociedade, como propõe um dos ODSs. Devemos ouvir as vozes de todos os lugares do mundo”, destacou.


Chefes de Estado e de governo participaram da cerimônia no Itamaraty (foto: Sérgio Amaral/8º FMA)


Realizado a cada três anos, o Fórum Mundial da Água é um espaço de diálogo e intercâmbio de experiências e boas práticas relacionadas ao uso da água. Os temas que norteiam os debates levam em consideração os conteúdos, metas e recomendações dos grandes acordos globais sobre água e assuntos correlatos, como a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (ODSs), notadamente o ODS 6 sobre água e saneamento; o Acordo sobre Clima de Paris (COP-21); o Acordo Sendai de redução de riscos e desastres naturais; a Nova Agenda Urbana (Habitat III) e a Agenda de Desenvolvimento Sustentável de 2012 (Rio+20).


Saiba mais: http://www.worldwaterforum8.org