Brasil destaca-se em panorama realizado pela OEI na Ibero-América sobre pesquisas de Covid-19

Brasil destaca-se em panorama realizado pela OEI na Ibero-América sobre pesquisas de Covid-19

OEI. 17/07/2020
Tamanho do texto+-

Levantamento de dados da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) em tempo real identifica que atualmente mais de 300 instituições latino-americanas realizam pesquisas sobre a Covid-19, a maioria delas universidades. Ao todo são 20 países com instituições científicas trabalhando nesta área. O Brasil é o país com as instituições mais ativas (71), seguido pela Argentina (68), e o México (32). A produção das instituições brasileiras é muito superior a dos demais países.

Pra se ter uma ideia, nesta sexta-feira, 17, o Brasil participa de metade dos artigos catalogados no PubMed. São 781 de um total de 1.393 artigos registrados na plataforma até o momento. Só a Universidade de São Paulo (USP) concentra 152 estudos na área. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ocupa a segunda colocação com 61 trabalhos, seguido da Universidade Federal de Minas Gerais com 49. Esses números variam conforme as instituições vão alimentando os bancos de dados e o Brasil tem mantido a liderança de registro.

Para o diretor e chefe da representação da OEI no Brasil, Raphael Callou, o levantamento coloca em evidência a contribuição do Brasil para o mundo científico. "Suscita o debate sobre a pandemia, especialmente neste momento que a Covid-19 faz tantas vítimas e coloca para nossa sociedade uma condição em larga escala que há muito tempo não se via em um mundo onde a conexão e a globalização tornam as distâncias cada vez mais próximas. Um desafio ainda mais complexo", ressalta.

A Compilação da OEI é realizada pelo Observatório Ibero-Americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade (OCTS/OEI), que faz busca de informações sobre pesquisas na região relacionadas à Covid-19. A seleção de estudos do Observatório tem por base o monitoramento em tempo real de universidades e instituições científicas que atuam na Ibero-América.

Os dados são obtidos a partir de três fontes complementares: documentos de acesso aberto coletados na Rede Federada de Repositórios Institucionais de Publicações Científicas (LA Referência); um conjunto de notas divulgadas pelo escritório de Ciências para a América Latina da UNESCO; e artigos registrados no banco de dados de revistas científicas do PubMed.

A PubMed é uma ferramenta de busca de livre acesso à base de dados do MEDLINE (Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica) que traz citações e resumos de artigos de investigação em biomedicina. A PubMed é Oferecida pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. A La Referência segue a mesma linha, é uma rede latino-americana de repositórios de acesso aberto.

Na compilação do Observatório da OEI, os usuários podem acessar informações estatísticas de duas maneiras: por um lado, um resumo gráfico que surge do processamento realizado com cada fonte; por outro, um navegador mais detalhado, onde os dados podem ser discriminados por país e instituição.

Confira os dados OCTS/OEI