CONCERTO MARCA NO BRASIL OS 70 ANOS DA OEI

CONCERTO MARCA NO BRASIL OS 70 ANOS DA OEI

OEI. 01/10/2019
Tamanho do texto+-

A Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) para a Educação, a Ciência e a Cultura celebra 70 anos de atividades este ano. A data foi comemorada com uma apresentação da Orquestra Sinfônica de Brasília nesta terça-feira, 1° de outubro, em Brasília. O concerto foi realizado com o apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) do Distrito Federal.


O evento, aberto ao público, contou também com a presença de autoridades dos governos Federal e do Distrito Federal, além de representantes do corpo diplomático, de organizações internacionais e da sociedade civil. O secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero, e o chefe da representação da OEI no Brasil, Raphael Callou, foram os anfitriões da noite.


O repertório musical contempla obras de compositores de países da Ibero-América, com clássicos conhecidos mundialmente: As quatro estações portenhas, de Astor Piazzolla (Argentina); Concertino para Clarinete e Acordeon, de André Mehmari (Brasil); El sombrero de 3 picos, de Manuel de Falla (Espanha); e Huapango, de José Pablo Moncayo (México).

Piazolla é tido como um dos mais importantes compositores de tango do século passado. As Quatro estações portenhas foram escritas entre 1965 e 1970 e, embora originalmente concebidos como tangos distintos, Piazzolla frequentemente os apresentava como uma suíte (peças tocadas sem interrupções).

O solista da noite é um consagrado acordeonista lituano que se apresenta pela primeira vez no Brasil, Laimonas Salijus. Sua chegada a Brasília é precedida por apresentações na Região Nordeste, Recife e João Pessoa. Sobre a música brasileira, Laimonas afirmou que gosta de chorinho, forró e música instrumental e que Sivuca e Oswaldinho do Acordeon são excelentes compositores e grande referência em sua carreira. Laimonas teve a companhia da clarinetista Paula Pires na peça de Mehmari “Concerto duplo Clarineta e Acordeon”.

O méxicano José Pablo Moncayo é outro autor da noite ibero-americana. Membro de um grupo de artistas que se dedicou a escrever música refletindo o espírito nacional mexicano, tomando como base melodias, ritmos e harmonias típicas da música popular do seu país natal compôs “Huapango” (1941). No repertório do concerto é a peça mais conhecida de Moncayo.

Ainda dentro da musicalidade ibero-americana, o repertório contempla o espanhol Manuel De Falla, com a Suíte nº 2 de “El sombrero de tres picos”.  A suíte é formada por três movimentos, em que danças populares e ritmos abundam numa completa recriação e cuja escrita instrumental, suntuosa e refinada, de uma constante elegância, é evocadora dos compositores russos.

Acompanhe a transmissão ao vivo

Fotos: Ricardo Martins

Galeria de imagens (Clique nas miniaturas para abrir a imagem)