OEI lança a campanha IberoamericaResiste

OEI lança a campanha IberoamericaResiste

OEI. 04/05/2020
Tamanho do texto+-

A Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) lançou no final de abril a campanha #IberoamericaResiste, para compartilhar o impacto do novo coronavírus nos 23 países da região e, acima de tudo, para partilhar as lições de vida que esta pandemia tem trazido aos seus colaboradores. A iniciativa pretende, também, convidar os cidadãos a partilhar a sua própria aprendizagem, numa situação que não se tem precedentes.

Para uma organização que trabalha, sobretudo com o setor da educação- acostumada a ensinar - a pandemia da Covid-19 tem fornecido muitas lições. A OEI reuniu em vídeo, especialistas em cooperação da OEI que destacam a importância da família, o valor de cada momento e como o trabalho conjunto ultrapassa diferenças horárias ou a distância de um oceano que não nos separa.

É assim que vivem este tempo de recolhimento os quase 500 trabalhadores da mais antiga organização multilateral de cooperação da Ibero-américa que, no ano passado, completou 70 anos trabalhando na região em prol da educação, da ciência e da cultura.

“Esta crise está sendo uma oportunidade para começar a desenhar uma nova página na história. A de um futuro em que as relações humanas de solidariedade e cooperação, de trabalho multilateral vão ser muito mais fortes porque precisam enfrentar desafios comuns e problemas partilhados, bem como de procurar soluções que também sejam partilhadas e não apenas a luta individual para sair da crise”, ressalta o secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero.

A campanha #IberoamericaResiste visa, ainda, chamar a atenção para outro aspeto: os efeitos desta crise no financiamento da cooperação. A crise de 2008 representou, em 10 anos, um corte de 75% dos fundos que Espanha destinou à cooperação internacional, valor que nunca mais foi recuperado. Se os financiamentos voltarem a sofrer cortes na mesma extensão, a cooperação internacional poderá ser gravemente afetada e muitos projetos essenciais para cumprir a Agenda 2030 podem ficar pelo caminho.

Nesse sentido, a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL) calcula que 29 milhões de latino-americanos poderiam cair na pobreza devido à pandemia da Covid-19. De 186 milhões de pobres na região em 2019, podemos passar para 214,7 milhões em 2020, dos quais 83,4 milhões estariam em situação de pobreza extrema.

Para poder dispor de todos os números significativos, a OEI tem monitorado e analisado o impacto do novo coronavírus na educação, na ciência e na cultura em toda a região com base em estatísticas e dados oficiais dos países integrantes da Organização.

Para minimizar as consequências negativas desta pandemia na educação, a OEI oferece acesso, de forma livre e gratuita, aos gestores, professores, famílias e estudantes a inúmeros conteúdos educativos e culturais. A medida visa mitigar os efeitos negativos causados pela suspensão das aulas. Segundo dados da UNESCO , estima-se que mais de 177 milhões de estudantes na Ibero-América estejam, atualmente, fora das salas de aula, desde a educação pré-escolar ao ensino superior.