Um Ano de Cooperação Ibero-americana

Um Ano de Cooperação Ibero-americana

OEI. 28/03/2019
Tamanho do texto+-

Hoje celebro um ano à frente da Representação da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) no Brasil. Tempo de muito aprendizado e realizações, contribuindo para o desenvolvimento da educação e da ciência no país, além do fortalecimento da cultura na região.

Uma feliz coincidência é que neste ano de 2019 a OEI também celebra um marco importante, chegando aos seus 70 anos de atividades - momento em que atua principalmente na relação sul-sul, com mais de 600 projetos de cooperação em curso na região.

Nesses últimos 12 meses, estruturamos várias iniciativas, tanto na área da Cultura, quanto da Educação e Ciência e Tecnologia. Nesse período, a representação da OEI no Brasil contribuiu de forma efetiva no desenvolvimento da educação brasileira, além de promover a cultura como vetor de desenvolvimento no âmbito da economia criativa.

A perspectiva para 2019 é avançar na dimensão que nos é merecida no panorama brasileiro e regional. O crescer e o prosperar são sempre desafiadores, mas permanecer crescendo é algo mais complexo e ambicioso. Essa é nossa responsabilidade.

Nada disso seria possível sem que tivéssemos a confiança e o apoio da Secretaria Geral da OEI, a quem agradeço pelo contínuo suporte, especialmente do Secretário-Geral, Mariano Jabonero, que tem oferecido condições para que o nosso trabalho possa prosperar.

Quero agradecer a todos os parceiros, consultores e especialistas que acompanharam a OEI nesse primeiro ano da minha gestão na Organização, e colocar-me à disposição para fortalecer a cooperação em toda a sua dimensão. E por fim, mas, não menos importante também quero agradecer às representações dos diversos escritórios da OEI nos países ibero-americanos com os quais tive a oportunidade de interagir e constituir parcerias nas áreas prioritárias da Organização.

Como disse na minha cerimônia de posse, em 28 de março do ano passado, parafraseando Dom Hélder Câmara: quando os desafios são grandes, mais ainda são apaixonantes.

Um abraço a todos,

Raphael Callou

Diretor da OEI no Brasil